domingo, novembro 30, 2008 5 Sensações de Mar

Lara Li - Telepatia

Eu era ainda uma criança. Mas esta canção ficou na minha memória para sempre. Num tempo em que a música portuguesa tinha tantas pérolas.

TELEPATIA

Ana Zanatti /Nuno Rodrigues

Telepatia
Silêncio, Calma
Feitiçaria
Da tua alma

Passo a passo
Sem ter medo
Abrimos, soltámos
O nosso segredo

E a sorrir
Devorámos o mundo
Num abraço
Tão profundo

Telepatia
Sem contratempo
Deixei-te um dia
Num desalento
E eu sonhava
Existia
Pra sempre, pra sempre
Foi pura poesia

Sem pensar
Não vi-te, passavas
Pelo meu corpo
Não ficavas

Telepatia (faladO)
Minha querida, eu soube sempre
Eu já sabia que te ia conhecer
Fiz tanta força
Para isto acontecer
És tão bonita meu amor
Eu não te queria perder
Já sei, adivinho
O que estás a pensar
Vim do outro lado do mar,
Talvez outro dia volte, não sei
Mas penso em ti, acredita
Adivinhei-te em segundos
Quando jurámos eternidade
quarta-feira, novembro 26, 2008 0 Sensações de Mar

Barbra Streisand - Evergreen - Timeless 2000

A nossa música!

sexta-feira, novembro 21, 2008 3 Sensações de Mar

Happy End

O Amor vence sempre...
obrigado por me fazeres tão feliz!
Sim...
tu sabes...

segunda-feira, novembro 17, 2008 6 Sensações de Mar

Reencontro

Eu sabia que nos voltaríamos a encontrar. Sentia-o de uma forma estranha.
No passado Sábado, fui ao encontro da velha casa que tantas vezes testemunhou o nosso amor. As paredes estavam mais amarelecidas e o ar vazio, marcava ainda mais o seu abandono.
O quarto guardava o teu perfume, doce e ao mesmo tempo agreste. Sentei-me naquela cama, despida de lençóis, mas ávida de aconchego.
Recordei os momentos únicos de prazer ali conseguidos. O suor, os nossos corpos em perfeita sintonia, os gemidos quando o orgasmo chegava.
Arrepiei-me e as minhas mãos tremeram. Buscaram a tua boca, os teus lábios quentes e sedosos… o teu corpo nú.
De repente adormeci… sonhei contigo uma vez mais. Estavas no jardim da velha casa a sorrir para mim. Seguravas nas mãos duas canecas de chocolate quente.
O sol despedia-se no horizonte, tocando o horizonte avermelhado. Junto á mesa de pinho bravo, abraçámo-nos e jurámos amor eterno.
Um grupo de aves veio saudar-nos, e os nossos beijos foram tocados pelo vento leve, que então soprou.
Acordei assustado com o ranger da porta da entrada, que de seguida bateu. Levantei-me e fui espreitar. Pela fresta consegui vislumbrar um vulto, envolto numa capa branca. Tinha a cabeça coberta e colocava duas velas em cima da mesa rectangular da sala. Em seguida, começou a despir a pesada roupa que trazia, voltou a cabeça e disse-me:
- Sou eu! Voltei!
E no soalho da velha casa, gasto pelo tempo, fizemos amor, oferecendo de presente aos Deuses, o momento eterno do nosso reencontro.


domingo, novembro 16, 2008 43 Sensações de Mar

Robyn - Keep This Fire Burning - Live

Lembrando a fantástica noite de ontem!!

Que loucura!!

sábado, novembro 15, 2008 5 Sensações de Mar

SOL

Hoje o Sol Brilha...
a minha felicidade é plena!

Hoje o Sol Brilha...
porque a escuridão apodreceu
nos limites do horizonte.


quarta-feira, novembro 12, 2008 2 Sensações de Mar

Perda

Perdi-me nas curvas amargas do tempo.

Hoje levantei a poeira feita de cansaço,
transformando a minha longa estrada
num mar de lamentos e pranto.


terça-feira, novembro 11, 2008 4 Sensações de Mar

Forgiven - Within Temptation

Hoje estou assim...

7 Sensações de Mar

Ontem

Ontem não consegui dormir. A minha cabeça fervia em pensamentos que não podiam ser bons. Vesti-me, peguei no carro e fui passear.
As ruas estavam desertas, as luzes dos candeeiros de estrada ofuscavam o brilho da lua. O frio cortava o meu rosto, que teimosamente encostava à janela.
Decidi parar junto a um lago artificial, que durante o dia faz as delícias paisagísticas da minha velha cidade.
Saí do carro e fui caminhar. Os cisnes acordaram e assustaram-se com a minha presença. Estava escuro, muito escuro, mas os meus passos permaneceram firmes.
Deitei-me sobre um banco rectangular, aconchegado sobre mim próprio. Um vento gélido soprava emoções cansadas sobre os meus ouvidos.
Apeteceu-me chorar…
As lágrimas apareceram e tremi. Nesse instante, uma mão pousou na minha cabeça. O meu cabelo sentiu-se atraído por aquele movimento meigo e quente.
Uma mulher idosa, vestida de preto, com um chapéu sem abas e gasto pelo tempo, observava-me com um olhar materno e feliz.
Levantei-me, mas ela colocou os seus dedos nos meus lábios, interrompendo o fluir das palavras.
- Não tenhas medo meu filho. Sou apenas uma velha… nada mais que uma velha.
A sua voz era sedosa, e pegando num lenço desbotado, limpou a minha cara.
- Que fazes aqui a uma hora tão tardia? Não sabes que os ventos da noite arrastam tristezas e agonias? Os Seres do Vazio arrastaram-te até aqui para te possuírem. Levanta-te e segue o teu caminho.
- Que Seres? Que Ventos? Perguntei eu intrigado.
A Velha pareceu não ouvir as minhas perguntas.
- Vês ali aquela Estrela? – e apontando com um sujo dedo para o céu, ergueu os seus olhos azuis para os meus.
- Sim – respondi eu, meio assustado.
- Então segue-a. Vai… parte já, antes que o dia chegue e a roube.
Levantei-me de rompante, imbuído por algo que não compreendi bem. Corri, e ao longe ainda virei o meu corpo, em busca da Velha Senhora, misteriosa e atraente. Acenou-me e sorriu.
Cheguei junto do carro e parti sempre em busca da estrela brilhante. Quando ela estava mesmo sobre mim, ouvi uma voz.
Desta vez, uma voz conhecida! A voz desse alguém que me fez chorar, prostrado no frio banco do lago.
Abraçámo-nos como se o mundo acabasse ali mesmo. Os nossos lábios tocaram-se e um mar de estrelas abençoou aquele momento.
Rompeu o dia e fui novamente ao lago, intrigado. Não vi ninguém. Corri e procurei, mas nenhum vulto encontrei.
Quando me debrucei sobre as águas, o velho chapéu sem abas flutuava, e um belo cisne branco de grandes olhos azuis, ergueu as longas asas e saudou-me.



quinta-feira, novembro 06, 2008 4 Sensações de Mar

REFLEXO


Reflexo de uma contemplação,
imbuída de sonhos
e néctares celestes.


 
;